Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sentaqui

"A maturidade permite-me olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura." (Lya Luft)

Sentaqui

"A maturidade permite-me olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura." (Lya Luft)

Marisco com cascas não, por favor!

Quem não gosta de saborear uma boa cataplana ou um bom arroz de marisco? Eu sou fã, não só de comer , mas também de os cozinhar, há apenas um pequeno senão , que para mim faz toda a diferença. Qualquer destes dois petiscos tem que ser servido sem casca, quer dos bivalves , quer dos crustáceos, caso contrário perde-se o gosto pelo repasto, pela trabalheira que dá; por exemplo, estar a meter uma amêijoa na boca cheiinha de arroz, na esperança que no fim ela venha recheada o que muitas vezes não acontece, porque entretanto já se perdeu no meio da arrozada. E o esforço que exige, estar de garfo e faca a tentar depenar um camarão? Depois e se resolvemos que esta degustação se faça num restaurante , há ainda uma parafernália de instrumentos que nos colocam à frente , mais parecendo que se está numa oficina, para já não falar no medo que sinto, se por acaso, estou a tentar partir a pata de uma sapateira e a coisa se escapa e vai direitinha à cabeça do vizinho da mesa do lado...sim porque não é de bom tom pegar nos bichos à mão e sair toda lambuzada, para além da má figurinha que se faz quando se trata de um restaurante requintado.

 

Cá em casa, dou-me ao trabalho de descascar tudo, de aproveitar a água de alguns dos ditos bichinhos e cozinhar o arroz, sabendo que posso misturar tudo sem no final ter de engolir alguma barba de camarão.

Sapateiras e lagostas, por exemplo, são sempre marteladas previamente para que não hajam acidentes.

 

Com a crise que vivemos, não quer isto dizer que ando por aí a comer marisco à força toda, mas que de vez em quando sabe bem um extravagância lá isso sabe e se não pode ser com muita variedade, faz-se uma mariscada pobrezinha. 

 

E já que é de comer que falo hoje sentada aqui, deixo um pequeno segredo que aprendi há muitos anos para confeccionar arroz de marisco... quando está a ferver, vou-o borrifando com vinho branco, nem imaginam a diferença que faz, é de comer e chorar por mais.

 

 

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D