Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sentaqui

"A maturidade permite-me olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura." (Lya Luft)

Sentaqui

"A maturidade permite-me olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura." (Lya Luft)

Estou cansada

Foto tirada da net

 

Quando criei este blog era minha intenção, analisar, comentar e escrever sobre factos do quotidiano que considerava importantes na vida de todos nós. Tenho tentado não banalizar muito certas questões e embora reconheça que nem sempre consigo, a verdade é que me esforcei.

 

Agora sinto-me cansada, cansada de ler e ouvir notícias que me deixam triste e amargurada, cansada de disparates e injustiças que se cometem todos os dias, não só em Portugal como por esse mundo fora.

 

Estou desiludida com o rumo tomado por pessoas que gerem um país da pior forma possível, dos casos  flagrantes e descaradas atitudes de gente que apesar da experiência de vida e cultura, são duma irresponsabilidade gritante, enquanto ocupam cargos de enorme responsabilidade.

 

Como não quero desgastar-me com assuntos que me tiram do sério vou passar a falar de banalidades, assim vou iludindo a realidade e talvez fique sentada aqui a descrever um dia a dia mais leve. Pena tenho eu de não ter sentido de humor, porque com ele ainda podia ser que o que escrevo pudesse fazer sorrir alguém.

 

Tirando a broca que zuniu mesmo por debaixo do meu quarto e a moto serra que ainda não parou de cortar uns quantos eucaliptos mesmo ao lado do meu caixote mal começou o dia, digamos que a coisa não está a correr mal.

 

Entretanto já diminui o tarifário da MEO e da TMN e pela primeira vez estou a fazer uma lista de todos os meus gastos diários durante um mês em que nada, nada mesmo seja esquecido, desde o pacote de lenços de papel à conta do mecânico que descobriu mais uma maleita na minha carroça.

 

Amanhã, quem sabe, possa falar do vestido que vesti, dos sapatos que vi numa montra e que gostava de ter comprado, de uma música que ouvi e gostei, ou de um passeio à beira mar ... amanhã é outro dia e nunca se sabe as surpresas que a vida me reserva, pelo menos quero ganhar força para não a levar tão a sério.

 

 

Tenha tento na língua senhora Lagarde

Imagem tirada da net

 

A diretora do Fundo Monetário Internacional recebe um total de 438,94 mil euros por ano... livres de impostos. Ganha mais do que o Presidente dos Estados Unidos.

Por esta é que eu não esperava e fiquei sentada aqui por uns momentos muda de espanto e obviamente revoltada quando se publica o ordenado e regalias da directora do FMI. Deduzo que os seus antecessores tenham tido as mesmas benesses.

 

Pois se lhe dão um ordenadão ia negá-lo? Se é aumentada todos os anos ia recusar? Pois se calhar não, a não ser que fosse daquelas raras almas nobres que vão escasseando pelo mundo e que vendo como está a situação a nível europeu abdicassem de qualquer coisita, mesmo que não fosse muito, ficava-lhe bem o gesto. Não iria certamente ter grande peso na economia europeia qualquer atitude mais altruísta, mas seria um bom exemplo para os que como ela, ganham fortunas enquanto se exigem sacrifícios a tantos.

 

O mais grave no meio disto tudo, foi a iluminada senhora dizer  que o problema dos gregos era não pagarem os seus impostos estando mais preocupada com a África subsaariana do que com eles.

 

Pouco percebo de política, nem gosto de fazer análises profundas sobre este tema, sei que há gente que escreve melhor que eu sobre o assunto, mas duma coisa eu percebo..JUSTIÇA e bom senso.

 

Depois disto penso que nada mais me espantará, resta-me assitir sem nada poder fazer, às barbaridades que dizem e fazem  os senhores do mundo.

 

 

 

Inventário do (des)governo português

3 governos no continente e ilhas


333 deputados no continente e ilhas


308 câmaras


4259 freguesias


1770 vereadores


30000 carros


40000(?) fundações e associações


500 assessores em Belém


1284 serviços e institutos publicos

 

Só me resta ficar sentada aqui a olhar para estes números e a pensar que andamos todos a alimentar esta cambada. Até quando?

 

 

Feng Shui

Foto de Sentaqui

Eram quase dezanove horas, ainda andava na rua e estava preparadinha para ir para casa. De repente toca o telefone

-Queres ir a uma palestra sobre Feng Shui?

-Quero, claro, onde? A que horas? Quanto custa?

-Daqui a meia hora e é de borla.

 

Aqui a Maria, que até gosta destas coisas mudou de direcção e à hora marcada lá estava. Só mulheres. Por que será que neste género de assuntos os homens não alinham? Ou esperam que as mulheres lhes contem depois? Ou acham isto mais uma parvoíce?

Antes de continuar convém dizer o que é essa coisa de Feng Shui..é assim segundo a Wikipédia:

 

A origem da expressão "Feng Shui" está no Zang Shu (O Livro dos Enterros) escrito pelo Mestre Guo Pu (276-324 d.C). O termo é citado na seguinte sentença:

O Qi é disperso pelo vento (feng) e acolhido pela água (shui).green bell

O Feng Shui é uma corrente de pensamento analítico com tradição de mais de 4000 anos. Os mestres chineses que o estruturaram teriam percebido que cada área natural, terreno ou edificação seria dotada de sua própria vibraçãoinfluenciada pela presença do Ch'i (chamada em chinês de qi), e estaria sujeita às várias influências do ambiente que a circunda.

Constatando que certos tipos de vibrações presentes no ambiente e em seu entorno poderiam agir de modo benéfico para o corpo e a mente, enquanto que outros tipos tenderiam a ser prejudiciais, supostamente compreenderam a importância de estudar como situar as edificações, móveis e objetos da maneira mais adequada para favorecer seus usuários, segundo esta interpretação da natureza.

Segundo as ideias pregadas pelo Feng Shui, quando as pessoas buscam este equilíbrio com as forças benéficas da Natureza, podem gozar de saúde, boa sorte e prosperidade. Quando as ignoram e se alinham com influências nocivas, podem experimentar dificuldades e obstáculos que podem se expressar como doenças, má sorte ou indisposição. Claro está que tais sentenças fazem parte desta crença e não são de forma alguma endossadas pela ciência.

Os mestres taoístas que desenvolveram esta arte, não utilizavam-na isoladamente: consideravam-na mais um instrumento de equilíbrio a ser utilizado em conjunto com outras práticas articuladas à Medicina tradicional chinesa, como a acupunctura, a meditação, e o Tai Chi Chuan.

 

Há muito que leio livros sobre este assunto e já apliquei certas coisas tanto no trabalho como em casa.

Gabinetes onde trabalhei em open space eram todos mudados , caso me autorizassem. Nada de secretárias no meio da sala, nem costas viradas para a porta.

Cá em casa, não há espelhos em frente à cama, e sim em frente à mesa onde como. Mudo frequentemente os móveis e bibelots e quando há coisas que não uso há muito dou tudo. Não há cantos entulhados de coisas, nem relógios parados, isto são só alguns exemplos.

 

Voltando à palestra que foi dada por uma especialista nesta área e que vai frequentemente a casa das pessoas para ajudar a harmonizar a casa e ajuda detectando o que está a bloquear a boa energia dos que nela vivem, gostei da maneira clara e repleta de exemplos que nos forneceu, fruto da sua experiência.

 

Mandou-nos desenhar a planta da nossa casa e dividi-la em 9 quadrados e a cada um atribuiu um número com as características de cada espaço.

Posso garantir-vos que na minha casa bateu tudo certo e no final ainda lhe perguntei: Por que é que um lavatório de uma casa de banho está frequentemente entupido e é raro usá-lo? Resposta: é sinal que ainda não conseguiu desapegar-se de alguma coisa da sua vida. Também é verdade , o que me espantou foi o apego ir logo para o dito cujo, obrigando-me a um esforço de tentar amiúde desentupir aquilo.

 

Agora resta-me ficar sentada aqui a tentar soltar amarras e ver se a coisa se resolve.

 

Se ficou com curiosidade sobre este assunto ficam aqui mais informações.

Os pantalones de Mariah Carey

 

 

Parece que a imprensa austríaca não poupou críticas aos pantalones de Mariah Carey.

 

Cá para mim o defeito está na confecção do produto e não no uso, porque o que está por debaixo sempre lá esteve.

 

Não me estou a imaginar a usar uma coisa assim, mas cada um veste o que quer.

 

Prefiro ficar sentada aqui a ouvi-la cantar I want to know what love is do que estar a olhar para as calças, mas gostos não se discutem e se calhar haverá gente que gosta mais de calças do que de música.

 

 

 

Anúncio: "Vende-se Portugal"

Eu que julgava estar a beber uma imperial fresquinha da Sagres, convencida que era uma marca portuguesa, vim a descobrir que já não o é há muito.

 

Quando acendo as luzinhas cá do meu caixote até que pensei  estar a sentir a energia portuguesa, que não sei porquê cada vez nos falta mais, também fiquei a saber que esta energia foi comprada por chineses e logo eu que sou avessa a compras nas lojas dos chineses, já vi que não me livro disso.

 

Até o tão falado Magalhães pertence à Intel.

 

E as compras sucedem-se, ora vejam:

 

 

 

Conclusão..somos vendidos a retalho e fico mais descansada, porque afinal quase tudo o que temos não é nosso e se calhar, nós que andamos a pensar que Portugal se está a afundar cada vez mais, quando dermos por nós não temos nada nosso, logo fica excluída a possibilidade de agravamento do nível de vida dos portugueses, já que eu, que sou optimista, acredito que haja um país qualquer que dê emprego aos milhares que não o têm e que hajam uns árabes que até têm uns barris de petróleo a mais, um dia destes tenham pena de nós e nos dêem uma esmolinha e passemos a ter de novo nas nossas contas bancárias os subsídios de férias e de natal.

 

Enquanto não se fazem mais umas aquisições em Portugal vou ficar sentada aqui a roer uma bela duma pêra rocha, essa por enquanto ainda é nossa.

 

 

Stacey Kent em Leiria

 

Confesso que nem sempre fui apreciadora de jazz, aliás até há alguns anos atrás ignorava completamente esse estilo de música, talvez por não me identificar com aqueles acordes que eu achava fora de tom e sem sentido.

 

Há mais ou menos uma dezena de anos um amigo perguntou-me se gostava de jazz e eu na altura não fui capaz de dizer que não. Dias depois oferece-me dois cds que gravou para mim, um da Lisa Ekdhal e outro da Silje Nergaard ...ouvi-os várias vezes e aos poucos comecei a ficar encantada com o ritmo, a poesia, a sensualidade próprias deste género de música.

 

Habituei-me desde então a procurar outros cantores sempre que ia comprar novos cds e estava eu em Londres quando vi numa prateleira um nome novo..Stacey kent, coloquei os auscultadores e fiquei logo fascinada pelo timbre de voz. A partir dessa altura nunca mais deixei de apreciar não só o trabalho dela , mas de muitos outros cantores e até costumo ir a um barzinho aqui bem perto, que além de ter a melhor caipirinha do Oeste, só passa jazz.

 

Este fim de semana convidaram-me para ouvir cantar a Stacey Kent a Leiria, aceitei de imediato e vim de lá maravilhada e surpreendida.

 

Para além da excelente voz e da notável interpretação é uma mulher simples e de uma sensibilidade comovente e qual não foi o meu espanto quando começou a falar em português. Explicou então que a sua segunda língua é o francês porque o seu avô apesar de ser russo amava Paris e combinou com ela falar desde pequena sempre em francês, talvez por isso, na digressão que anda a fazer pelo mundo, tenha lá gravado ao vivo um novo álbum. Em terceiro lugar vinha o português, explicando que só fazia sentido apreciar os poetas portugueses e brasileiros conhecendo e sentindo a língua e há quatro anos que ela e o marido (saxofonista do grupo) começaram a estudá-la.

 

Cantou e encantou com aquele ar de menina, muitas das músicas que eu já conhecia e outras novas, gerando um ambiente intimista, aconchegante e apesar da sal estar cheia, fechei os olhos e por momentos pensei que cantava numa salinha apenas para um grupo de amigos, enquanto me deliciava a ouvir SO NICE.

 

E para não esquecer um momento tão sublime e a simplicidade de uma mulher de enorme talento, fico sentada aqui a ouvir uma entrevista com Jô Soares.


 
 
 

 

Quando sinto que o tempo corre depressa demais

 

Sinto dia após dia que o tempo me ultrapassa, que os dias não duram 24 horas, que as noites não são vividas, que o sol mal nasce logo se esconde, que tão depressa é Primavera, como logo a seguir chega o Inverno, que gente parte e ainda ontem estavam por cá ora cantando, ora tocando, ora fazendo de cada momento uma ilusória convicção que tudo seria para sempre.

 

Sinto que o tempo me foge quando me olho ao espelho e vejo aquela ruga que resolveu juntar-se a mais umas quantas que nasceram sem eu as mandar vir.

 

Sinto que o tempo não me dá tréguas impedindo-me de fazer tudo o que gostava de fazer e de viver.

 

Sinto que o tempo me impede de dizer a todos os que prezo, palavras de apreço, de solidariedade, de compreensão, de consolo, de amor e amizade.

 

Sinto que o tempo me ensinou a olhar para pessoas que não vejo há muito e pensar ...como envelheceu! ao invés dessa vã ilusão de que ele só passa para os outros, sentada aqui olho-me, revejo-me e concluo que os outros que eu acho que envelheceram, são o espelho de mim própria.

 

 

 

Dinossauros precisam-se!

 

Já há anúncio de chuva e temperaturas a descerem em força...ora estava a saber-me tão bem este solinho!

Já nada é como antigamente em que os Dinossauros com a sua flatulência contribuiam para que o planeta ficasse quentinho

 

Agora os dinossauros são outros e encolhem-se todos e o que devia sair por um determinado sítio vai-lhes para os miolos,  daí que  apareçam frentes frias, depressões, dilúvios de palavrões e tornados de decisões que deixam qualquer um arrepiado.

 

Mesmo assim com este panorama arrepiante eu fico sentada aqui com a esperança que aparece um daqueles bichos de bocarra bem aberta e provoque uma explosão de mau cheiro e que ponha em  debandada os abominávíes  Ornitópodes  que são um grupo de dinossauros ornitísquios que começaram como pequenos herbívoros, e cresceram em tamanho e número tal que até se tornarem os mais bem sucedidos surripiadores do alheio, dominando totalmente algumas  das grutas mais importantes existentes em Portugal.

 

Venham daí os dinossauros a ver se isto aquece.

 

 

Pelo menos que não haja crise no amor

 

Faz hoje um ano que participei num workshop de fotografia dado pelo meu amigo Miguel.

Éramos apenas 4 alunas.

Aconteceu o que não estava previsto, sim porque o amor vem sempre sem aviso, o Miguel apaixonou-se perdidamente por uma das alunas e passado um mês estavam a viver juntos, não sem antes me ter telefonado a pedir a minha opinião, como se nestas coisas do amor e paixão se ouça qualquer tipo de conselhos, nem eu sou mulher para os dar, só disse:-segue o teu coração.

 

Este fim de semana e dois dias antes de comemorarem um ano em que se conheceram casaram-se.

Foi um casamento invulgar, original, alegre e muito diferente das secas que por vezes se apanham neste tipo de cerimónias.

Foi uma conservadora que os casou num antigo teatro de Lisboa e até ela primou pelo bom humor, pela simpatia, sem formalismos, fugindo a tudo o que era convencional. Recitou dois poemas em momentos diferentes, um de Santo António e outro de Florbela Espanca e falou do seu casamento que dura há cinco anos e da maior prova de amor que o marido lhe deu quando há três anos e durante nove meses esteve entre a vida e a morte e em que ele durante esse tempo abdicou do seu trabalho para cuidar dela. O amor deles subsiste mais forte do que nunca.

 

Quanto ao jovem casal que primam pela alegria, imaginação, fizeram tudo para que não existissem momentos monótonos.

A madrinha (eu) teve direito a discurso, e as mamãs também.

 

Depois veio a hora do filme da vida deles , bem produzido e com música bem mexida.

 

Comia-se, bebia-se, tiravam-se milhares de fotos fazia-se o filme, cortou-se o bolo, e lá mais para o final os dois brindaram os convidados com uma dança em que misturaram vários estilos e com uma agilidade surpreendente, mais pareciam estar num qualquer concurso de dança.

 

Nem uma mostra de cansaço, sempre atentos a tudo e a todos, eles foram a personificação da alegria e de uma energia inesgotável.

 

E sentada aqui sigo atenta as novidades e aventuras da sua viagem de lua de mel até terras americanas e já lhes aconteceu um pouco de tudo, desde perderem uma mala, até voarem horas seguidas ao lado de um senhor bem gordo que não parou de ressonar a noite toda. Finalmente chegaram a uma quinta na Califórnia e estão cansados mas super felizes.

 

Estive na dúvida se devia ou não falar sobre este assunto, mas depois de ver e ler sobre crises disto e daquilo, achei por bem escrever sobre um assunto onde a crise não chega quando se fala de AMOR.

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D