Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sentaqui

"A maturidade permite-me olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura." (Lya Luft)

Sentaqui

"A maturidade permite-me olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura." (Lya Luft)

A minha adolescência no Porto

IMG_5798.JPG

 Foto minha

Apesar de estar longe da minha terra natal, fui para o Porto tirar o meu curso, isto porque tinha uma madrinha rica, viúva , sem filhos. Mulher de 75 anos, austera, bonita, de bom porte e com óptimos relacionamentos.

Soube nessa altura como viviam os ricos. Casas apalaçadas, quintas no Douro e gente com muito dinheiro.
Quando cheguei, o meu ar de tontinha contemplava os dourados dos espelhos, pratas reluzentes, as escadas em caracol e uma grande clarabóia.
Fiquei alojada nas águas furtadas, um autêntico luxo.
No primeiro piso ficava a cozinha e a sala onde a Maria a criada rechonchuda, mas já de idade, vestia sempre de negro com avental, gola e touca branca, cozinhava divinamente. Sempre que a madrinha não descia à sala porque tinha uma angina de peito, carregava à cabeça um enorme tabuleiro com os mais saborosos acepipes.
Fui logo obrigada a dar o meu horário, para que não houvessem desvios. Como tinha a quarta -feira livre, tratei logo de a encher com aulas, para poder passear ou ir ao café.
Como nessa altura fumava e à frente do quarto havia um telhado, abria ligeiramente a persiana, esfumaçava e nem sempre as beatas iam ter à estrada, até que chegou o inverno e o algeroz entupiu com as pontas dos cigarros. Fui descoberta e apanhei um grande raspanete.
Para compensar as malandrices lia-lhe livros até ela adormecer. Encantavam-me os seus perfumes e de vez em quando ia à casa de banho dela, embebia um pouco de algodão em Chanel nº5  e depois de lhe dar um beijo , besuntava o pescoço com tão precioso perfume.
Sempre que se achava com forças ia de braço dado com ela à missa. Para ter alguma distracção entrei para o grupo coral e era mais um extra que eu adorava.
Guardava o dinheiro do eléctrico para poder ir na galhofa, rua fora, com uma amiga.
Um dia deixou-me ir a um baile num liceu conceituado da cidade e conheci um rapaz que passou a ir buscar-me todas as quartas feiras. Passeávamos pelas ruas da cidade, íamos até ao Palácio de Cristal e conversávamos muito sobre filosofia e filósofos, como não percebeia nada do assunto tratei logo de devorar livros para não deixar os meus créditos por mãos alheias.
Nunca houve nada entre nós, apenas um leve beijo nos lábios na despedida.
Tive azar porque a Maria (criada) viu uma das nossas despedidas e foi logo contar à madrinha que ficou deveras incomodada e eu também. Imaginem que lhe dava um ataque e ia desta para melhor?!
Muitas outras peripécias aconteceram, felizmente a senhora não faleceu enquanto eu lá estava.
Apesar de tudo hoje sentada aqui guardo com saudade os dois melhores anos da minha vida como estudante.

Conheci muita gente, frequentei palacetes, recebia prendas de sonho e lembro-me da sensação de um dia andar num carro descapotável.
Valeu a pena!

Sidney

IMG_6147.JPG

IMG_5881 (1).JPG

IMG_5903.JPG

IMG_6180.JPG

IMG_6168.JPG

IMG_5935.JPG

 

IMG_5914.JPG

IMG_6221.JPG

IMG_6066.JPG

IMG_6072.JPG

IMG_6327.JPG

IMG_6404.JPG

IMG_6419a.jpg

 Sidney uma cidade que me fascinou pela arquitectura, alegria das gentes que passeava nas ruas, pela animação e monumentos.
Tivemos direito a uma visita guiada à ópera de Sidney e a um espectáculo de balet.

Um passeio na baía deu para contemplar toda a maravilha que nos rodeava.

Como estava calor demos um saltinho a Bondi Beach e ainda deu para sentar e comer um geladinho numa esplanada.
Houve uns corajosos no grupo que subiram a ponte, eu não o fiz, pareceu-me demasiado difícil, limitei-me a vê-la de longe. 
E hoje sentada aqui pergunto-me: - Voltavas novamente? Sem dúvida que sim.

 

Cruzeiro no Parque Nacional de Milford Sounds

Milford Sound  é um fiorde na ilha Sul, na Nova Zelândia, cavado pelo degelo nas montanhas e pela ação do vento. É o principal ponto turístico natural da Nova Zelândia.e classificado Património da Humanidade

IMG_5729a (2).jpg

 

 

IMG_5847 (3).JPG

 

IMG_5808 (2).JPG

IMG_5837a.jpg

IMG_5841 (2).JPG

IMG_5748 (2).JPG

Enquanto o passeio decorria e sempre que nos aproximava-mos das rochas, quedas de água vindas do degelo das montanhas borrifavam-nos. Focas descansavam nas rochas indiferentes à nossa passagem.

IMG_5732 (2).JPG

 Foi sem dúvida um passeio memorável em comunhão com o silêncio e a observação do estado mais puro que a natureza oferece aos visitantes deste lugar mágico.

 

Hoje sentada aqui, recordo com saudade um dos lugares mais surpreendentes que visitei na Nova Zelândia.

 

 

 

Braga a meus pés

Graças a simpatia e disponibilidadedos dos meus anfitriões, tive oportunidade de conhecer um pouco mais da cidade de Braga, uma cidade que me surpreendeu pela sua monumentalidade, beleza natural e a conservação do património histórico.

Não foi possível ver tudo, já que o tempo passou a correr, mas hoje, sentada aqui relembro com saudades tudo o que vi e quero compartilhar.

_MG_9880 (2).JPG

 

IMG_3341 (2).JPG

_MG_3323 (2).JPG

 

_MG_3321 (2).JPG

 

_MG_3333 (2).JPG

 

_MG_3381.JPG

_MG_9773 (2).JPG

 

_MG_3326 (2).JPG

_MG_9788 (2).JPG

 

IMG_3081 (2).JPG

 

IMG_3132 (2).JPG

 

IMG_3074 (3).JPG

 

IMG_3147 (2).JPG

 

_MG_9903 (3).JPG

 

IMG_3135.JPG

IMG_3157 (3).JPG

Estas são apenas algumas das muitas fotos que tirei em Braga e renovo aqui os meus sinceros agradecimentos aos meus amigos que me acompanharam e se disponibilizaram para me mostar a beleza desta cidade fantástica.

 

Do Silêncio à Luz

Quando visitei Braga, uma cidade que me surpreendeu pela sua imponência e história não me foi possível visitar este espaço que vos mostro, não fosse a gentileza da minha amiga Afrodite do blog http://jardinsdeafrodite.blogspot.pt/ que me cedeu este vídeo e ainda me mostrou o que de melhor há nesta cidade, não teria sido possível mostrar esta obra de arte.

E hoje mais uma vez fico sentada aqui a contemplar imagens que me enchem a alma

 

 

 

 

 

 

 

 

Enclausurada no aeroporto- uma viagem para esquecer

Não costumo viajar em companhias low cost, mas desta vez o convite para festejar os 50 anos de uma grande amiga foi tão inesperado que resolvi marcar a viagem até Genève na easyJet.

Para lá tudo correu bem. O regresso coincidiu com o problema de abastecimento de combustível no aeroporto de Lisboa.
Tinha o voo de volta marcado para as 21h e 40m. Duas horas antes lá estava e fui logo informada que não sabiam se haveria voo, já que o aeroporto fechava à meia noite.

Subi e aguardei mais informações e elas não foram nada agradáveis.

Comunicaram-nos que o avião não chegaria antes do aeroporto fechar e como alternativa colocaram-nos em 3 autocarros que nos levariam até Lion com a garantia de que à uma da manhã teríamos voo.

Foi com espanto e muito constrangimento que nos disseram que o voo só se efetuaria às 6 da manhã e fecharam o aeroporto.

Ficámos enclausurados numa sala sem comer e sem condições para dormir.

Chegaram as 6 e nada, mudaram para a 7 e nada, até que disseram que ia ser às 8 e estavam a preparar-se para adiar mais uma vez , mas uma rebelião dos passageiros fez com que o voo acontecesse.

Chegados a Lisboa estivémos 1 hora dentro do avião à espera que viesse um autocarro para nos levar às instalações do aeroporto. Os ânimos exaltaram-se de tal maneira que tiveram de chamar a polícia, o certo é que passados alguns minutos tivemos autocarro.
Compreendo que problemas podem sempre existir, mas quem viaja nestas companhias de baixo custo fica sempre relegado para segundo plano.

Hoje sentada aqui prometi a mim mesma nunca mais viajar neste tipo de companhias

Deixo algumas imagens para ilustrar a situação degradante pela qual passámos.

IMG_0392.JPG

 

IMG_0396.JPG

IMG_0398.JPG

IMG_0400.JPG

 

Deram-nos umas folhas de papel de alumínio amarelas para nos cobrirmos e que faziam um barulho irritante quando alguém se mexia, parecia que estávamos prontos para ir para o forno.

Agradeço à equipa do Sapo por ter destacado este post

 

 

Ainda não se descalça à entrada de casa?

IMG_7150.JPG

Foto minha

 

Ainda não adotou o hábito de tirar os sapatos da rua antes ou assim que entra em casa?

Se precisa de motivos para o fazer, além de manter a casa mais limpa ou o piso bem conservado, três estudos revelam conclusões alarmantes sobre a quantidade de bactérias que pode estar nas solas dos sapatos que usou na rua e que teima em usar dentro da sua casa.

De acordo com as conclusões de quatro estudos apontam que andar em casa com os sapatos que usou na rua pode expôr toda a sua família a bactérias que podem pôr a saúde em risco.

Como reporta o Wall Street Journal, um estudo realizado pela Universidade de Houston verificou que 26,4% das 2500 amostras de sapatos que os investigadores analisaram transportam o coliforme (tipo de bactéria) ‘Clostridium difficile’, que pode provocar dores de estômago e diarreia.

Já um estudo realizado por investigadores austríacos e apresentado em 2015 descobriu que pelo menos 40% dos sapatos dão ‘boleia’ a ‘Listeria monocytogenes’ - uma espécie de bactéria capaz de provocar doenças em seres humanos, como meningite.

Um estudo de 2014 concluiu que 96% dos sapatos podem conter E coli, bactéria presente nas fezes. E outra investigação, realizada pela Universidade de Baylor, nos Estados Unidos, mostrou que quem vive perto de estradas asfaltadas com alcatrão de hulha, um líquido escuro derivado do carvão, tem um maior risco de desenvolver cancro devido às toxinas levadas pelos sapatos para dentro de casa.

É importante referir que as bactérias que se vão espalhando pela casa à medida que lá caminha com os sapatos que usou na rua também se multiplicam rapidamente devido ao calor e humidade que se pode encontrar nas paredes, tapetes ou carpetes.
Eu já estou sentada aqui de chinelinho calçado, não vá entrar alguma bactéria manhosa.

Safari no Botswana

IMG_3257.JPG

Fazer um safari, foi algo de emocionante e inesquicível. Soube apreciar com mais força e realismo aquilo que só tinha visto na televisão.IMG_2089.JPG

 À chegada éramos extremamente bem recebidos e a humildade dos trabalhadores foi comovente.IMG_2092.JPG

Cada quarto era uma casa onde nada faltava e a beleza da decoração agradou-me. 

IMG_2094.JPG

 

IMG_2075a.jpg

IMG_2172a.jpg

 

IMG_2814a.jpg

IMG_3186.JPG

 

IMG_3245.JPG

De vez em quando éramos surpreendidos com bebidas frescas e aperitivosIMG_2066.JPG

Não, isto não é um monte de terra, é um enorme formigueiro.IMG_2096.JPG

 Ao fim do dia ficava sentada aqui a contemplar a paisagem e a ouvir o canto dos pássaros. 

Uma viagem daqui até ao céu


IMG_0921.JPG

 

 

O dia está bonito, o céu azul polvilhado com algumas nuvens, fez com que tivesse a ideia de sair deste canto e subir.

Aconcheguei-me numa nuvem, naquela que me pareceu mais confortável e espaçosa.
Tinha esperança que ele aparecesse.

Passados alguns minutos senti uma leve aragem e vi que ele se aproximava.
Inicialmente não dissemos nada, apenas nos unimos com um forte abraço.

-Pai, que bom teres vindo, estou muito feliz e acho que me esqueci quando estavas comigo lá em baixo,de te dizer, que te amo muito.

-Filha, estou comovido, sabes que nunca fui de usar palavras meigas e até dava um ar de durão, mas penso que me conheces e já reconheceste depois deste tempo todo, que tudo o que fiz, embora pudesse não parecer, foi porque nutria por ti um grande amor. Eras um pouco refilona, mas hoje sinto que estás mais doce e meiga.

-Tens razão, pai, nem sempre compreendi certas atitudes tuas, mas hoje reconheço que fizeste o melhor por mim e estou aqui para te agradecer.

 

Subitamente senti que alguém se aproximava lentamente.
- Mano!!! Também vieste? Estou duplamente feliz. Pregaste-me uma partida , sabias? Logo no dia de hoje num 19 de Março e apenas com 36 anos, enquanto celebravas este dia com a tua mulher e as tuas duas meninas, resolveste partir, doeu demais sabias?
- Eu imagino, mana, mas já tinha cumprido a missão que me estava destinada e hoje aqui de cima sei que elas estão bem e isso deixa-me feliz.

Ficámos ali os três a conversar durante um bocado e a recordar bons tempos. Curiosamente, sempre fomos muito parecidos.
-Sabem, aqui está-se bem, gostava de ficar convosco.

- Não minha filha-respondeu o meu pai- ainda tens muitas coisas para fazer lá em baixo, ainda há pessoas que precisam de ti.

Sabia que ele tinha razão, mas saborear aquela paz, fazia-me sentir vontade de ficar, por vezes o mundo é demasiado cruel e de vez em quando faltam-me as forças.
- Mas nós sabemos que és forte- disseram eles-  és uma parte de nós e tens ainda que acabar de fazer certas coisas que nós não pudemos terminar, cabe-te a ti essa missão, não tenhas pressa, quando chegar a tua hora juntar-nos-emos e faremos por aqui uma grande festa.

Ficámos durante algum tempo sem nada dizer, o silêncio falava mais alto.

Desci lentamente, vim-me sentar aqui e agradeci à vida por me ter dado duas pessoas que tanto amei e feliz por saber que estavam bem.
Até um dia!

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D